» » » 5 perguntas para entender as acusações que podem tirar Dilma definitivamente da Presidência

Senado Federal deu início nesta quinta-feira à etapa final do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, fase em que os 81 senadores decidirão se a petista deve ser condenada por crimes de responsabilidade, perdendo definitivamente seu mandato.

A previsão é que o julgamento seja concluído na terça ou quarta-feira. São necessários 54 votos para cassar Dilma - aliados do presidente interino Michel Temer acreditam ter mais de 60. Na ausência desses votos contra, a presidente afastada retomaria suas funções.
A petista é acusada de ilegalidades na gestão das contas públicas: as irregularidades denunciadas são atrasos nos repasses para bancos públicos (pedaladas fiscais) e publicação de decretos aumentando despesas mesmo quando a meta fiscal não estava sendo cumprida.
A defesa de Dilma nega qualquer ilegalidade e acusa o processo de ser um golpe.
Em cinco perguntas, entenda melhor essas acusações e o que diz a presidente.

1. O que são as pedaladas fiscais?

As pedaladas fiscais são como ficaram conhecidos os atrasos da União no repasse para bancos estatais cobrirem despesas com programas públicos e empréstimos com juros subsidiados.
Na visão dos críticos do governo Dilma, essas operações foram usadas em grande volume na sua gestão como forma de aumentar os gastos públicos acima do que a arrecadação de receitas permitia.
O grosso das "pedaladas" ocorreu em 2013 e 2014, mas a denúncia é focada no atual mandato, em atrasos registrados em 2015, dentro do Plano Safra. Nesse caso, a União demorou a repassar ao Banco do Brasil recursos para cobrir empréstimos subsidiados concedidos a agricultores.
De acordo com o relatório do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), aprovado na comissão especial de impeachment do Senado, o governo Dilma fez em 2015 pagamentos ao Banco do Brasil que incluíam valores atrasados desde 2008.
Segundo esses dados, o passivo da União era de R$ 10,94 bilhões em 31 de dezembro de 2014 e subiu para R$ 15,27 bilhões em 2015 (sendo R$ 1,13 bilhões relativos a juros sobre o valor devido anteriormente e R$ 3,2 bilhões relativos a novos atrasos registrados no ano passado).
As principais questões que precisam ser esclarecidas no caso das "pedaladas" são se esses atrasos podem ser classificados como operações de crédito (empréstimos entre a União e o Banco do Brasil) e se Dilma pode ser diretamente responsabilizada por essas operações.
Michel TemerImage copyrightREUTERS
Image captionSe Dilma for condenada, Michel Temer assumirá definitivamente o cargo

2. Pedaladas são empréstimos?

A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) proíbe que a União pegue recursos emprestados com bancos que ela controla, caso do Banco do Brasil. Segundo o relatório de Anastasia, essa proibição busca "evitar que a promiscuidade de interesses leve as instituições financeiras a atuarem temerariamente na concessão de crédito, em benefício se seus controladores".
Além disso, aponta o relator, também tem a finalidade de não permitir que o governo realize gastos mesmo sem ter recursos em caixa, por meio "de empréstimos bancários temerários". Isso, argumenta o parlamentar, tem potencial de provocar um descontrole no endividamento público, afetando toda a economia por meio da alta dos juros.
Em sua defesa, Dilma diz que essas operações foram na verdade "prestação de serviços" e que atrasos já haviam sido registrados em governos anteriores, sem que fossem classificados como operações de crédito pelo TCU. O fato de que os atrasos assumiram montantes muito maiores no seu governo não altera a "natureza" da operação, argumenta.
"Não existem, nestes casos, quaisquer transferências de recursos do pretendido 'credor' para o 'devedor'; não há prazo para o pagamento e nem mesmo um contrato entre o banco e a União", sustenta sua defesa.
Anastasia argumenta, no entanto, que a LRF permite uma interpretação mais ampla sobre o que é "operação de crédito", no intuito de garantir a "responsabilidade fiscal".
"Percebe-se claramente que a lei procurou dar ao conceito de operação de crédito a maior abrangência possível, de modo a impedir o endividamento dos entes da Federação à revelia das rigorosas normas fixadas para tanto", diz o relatório.
A questão despertou análises divergentes de órgãos públicos. Enquanto a perícia feita por técnicos do Senado concluiu que os atrasos eram operações de crédito, o Ministério Público Federal do Distrito Federal entendeu o contrário - que eram apenas "inadimplementos contratuais, que ocorrem quando o pagamento não acontece na data devida".

3. Dilma tem responsabilidade sobre as pedaladas?

No caso das pedaladas, a junta pericial do Senado não identificou evidência de ação direta da presidente.
A defesa de Dilma argumenta que o gerenciamento do Plano Safra é feito por meio de portarias do Ministério da Fazenda, não havendo envolvimento direto da Presidência na gestão dos pagamentos.
"Não foi submetido a meu âmbito decisório, e nem deveria ser, qualquer questão relativa à regulamentação ou à gestão concreta do Plano Safra", argumentou a presidente.
Anastasia, no entanto, cita declarações de autoridades para sustentar que Dilma tinha envolvimento direto na questão.
"A participação direta da acusada na preparação do Plano Safra é confirmada pelo discurso do então vice-presidente de Agronegócios do Banco do Brasil, que declarou em cerimônia realizada em 1º de julho de 2015 ter aquela política sido formulada em reuniões coordenadas pessoalmente pela presidente da República", afirma ele.
Senado FederalImage copyrightAP
Image captionDestino de Dilma Rousseff está nas mãos do plenário do Senado

4. O que são os decretos de suplementação orçamentária?

A denúncia aponta que haveria quatro decretos de suplementação orçamentária assinados por Dilma de forma irregular em 2015. Segundo os defensores do afastamento, a presidente não poderia ter permitido essas novas despesas sem autorização prévia do Congresso.
A Lei Orçamentária Anual (LOA) prevê que o aval do Legislativo para esses decretos é obrigatório quando a meta de superavit primário - economia para pagar juros da dívida pública - não está sendo cumprida.
Como em julho de 2015 o governo enviou ao Congresso um projeto de lei reduzindo o valor previsto para o superavit naquele ano de R$ 55,2 bilhões para R$ 5,8 bilhões, decretos assinados após essa data estão sendo questionados.
Na visão dos defensores do impeachment, o envio da proposta de nova meta - que acabou sendo aprovada apenas em dezembro - significa o reconhecimento pelo governo de que não estava cumprindo o superavit originalmente previsto para o ano.
Os peritos do Senado identificaram problema em três desses quatro decretos: dois assinados no final de julho, nos valores de R$ 1,7 bilhão e R$ 29,9 milhões respectivamente, e um assinado em agosto, de R$ 600,3 milhões.
"Ao abrir créditos suplementares e contingenciar despesas com base em projeto de lei pendente da apreciação do Parlamento, a presidente da República revelou, portanto, não apenas desconsideração pelos mais elementares princípios de responsabilidade fiscal, mas absoluto desrespeito ao Congresso Nacional", escreveu Anastasia.
A defesa de Dilma tem argumentado que esses decretos não serviram para ampliar despesas, mas apenas remanejaram os recursos entre gastos previstos no Orçamento, usando, por exemplo, excessos de arrecadação em alguns tributos específicos. Segundo o ex-ministro José Eduardo Cardozo, advogado da presidente, o governo fez o maior contingenciamento de despesas da história no ano passado.
Além disso, senadores aliados argumentam que os valores questionados são pequenos e não tem impacto relevante nas contas públicas.
Já na avaliação de Anastasia não seria possível falar em excesso de arrecadação "de um órgão ou Poder específico quando a receita global da União se mostra insuficiente para a obtenção da meta".
Além disso, o senador afirma que o corte nas despesas foi necessário porque o governo havia superestimado a previsão de receitas. "O contingenciamento não é um indicador de responsabilidade fiscal, mas de irrealismo", escreveu.

5. Dilma tem responsabilidade sobre os decretos?

A defesa de Dilma sustenta que os decretos são elaborados por uma grande cadeia de servidores antes de serem assinados pela presidente, de modo que tiveram aval do corpo técnico da União.
Já os peritos do Senado consideraram que a participação direta da presidente no caso dos decretos é "evidente" porque ela que assina sua publicação no Diário Oficial da União.





Fonte:BBC Brasil 

Postador Renilson Gomes

«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário :

receba nossas atualizações no seu Email

PESQUISE AQUI