» » » Luiz couto é o único deputado paraibano que que não esta sob investigação, os que votaram pelo impeachment estão todos

Todos os deputados federais paraibanos que votaram pelo seguimento do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) pela prática de crime de responsabilidade são investigados ou respondem a ações judiciais. O levantamento tem como base dados da Ong Transparência Brasil e do Supremo Tribunal Federal (STF). A situação do Estado é semelhante à representação do restante do país. Ao todo, dos 367 votos dados contra a gestora, 94,7% dos parlamentares estão em dívida com a Justiça.

Os representantes paraibanos que votaram a favor do impeachment foram Aguinaldo Ribeiro (PP), Benjamim Maranhão (SD), Efraim Filho (DEM), Hugo Motta (PMDB), Manoel Junior (PMDB), Pedro Cunha Lima (PSDB), Rômulo Gouveia (PSD), Veneziano Vital do Rêgo (PMDB) e Wilson Filho (PTB). Os únicos contrários ao processo foram Luiz Couto (PT), Damião Feliciano (PDT) e Wellington Roberto (PR).

Confira os processos que respondem os deputados federais que votaram a favor do impeachment:

Aguinaldo Ribeiro
Alvo de inquérito na operação Lava Jato e de inquérito que investiga crimes na Lei de licitações;

Benjamin Maranhão
Réu em ação por formação de quadrilha e alvo de inquérito que investiga crimes na Lei de licitações;

Efraim Filho
Alvo de inquérito que apura crimes na Lei de licitações;

Hugo Motta
Apontado como suspeito de destinar recursos da verba de representação para empresa que emite notas frias;

Manoel Junior
Citado no relatório final da CPI da Pistolagem, que investigou grupos de extermínio no Nordeste, em 2005. Segundo trechos do documento, Júnior é acusado de ser mandante do assassinato do vereador José Barros, em 2000, na cidade de Pedras de Fogo;

Pedro Cunha Lima
Teria recebido R$ 1 milhão ilícito de empresas da Lava Jato para utilizar na campanha eleitoral de 2014;

Rômulo Gouveia
Alvo de ação penal por crime na Lei de licitações e por captação e gastos ilícitos na campanha de 2014, e é alvo de três ações civis por improbidade administrativa;

Veneziano Vital do Rêgo
Réu em ação penal por crimes de responsabilidade e crimes contra a Lei de Licitações, alvo de inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF): três inquéritos por crime de responsabilidade, quatro por crime na Lei de licitações, um por peculato, outro por lavagem de dinheiro; réu em três ações por improbidade administrativa, alvo de três inquéritos por apropriação indébita, responde a 14 processos por improbidade administrativa na Justiça Estadual, e ainda responde a cinco processos por irregularidades constatadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB) durante sua gestão como prefeito de Campina Grande;

Wilson Filho
Teria usado verba indenizatória para gastos do partido e está envolvido em suposto esquema de lavagem de dinheiro

Demais deputados
Dos três que votaram contra o impeachment, apenas Luiz Couto (PT) não tem nenhuma investigação contra ele.

Confira os processos
Wellington Roberto: É réu em ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal; Damião Feliciano: Réu em ação civil pública movida pelo Ministério Público Estadual da Paraíba (MPPB), além disso, é acusado de ter usado verba indenizatória para gastos do partido.

JPOnline

Postador Sebastião Barbosa

«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário :

receba nossas atualizações no seu Email

PESQUISE AQUI