» » » Cunha descarta renúncia da Câmara se for denunciado

Na mira da Procuradoria-Geral da República, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), descartou nesta sexta (24) se afastar do comando da Casa caso seja denunciado por envolvimento na Operação Lava Jato.

O consultor da Toyo Setal e delator, Júlio Camargo, disse na semana passada ao juiz federal Sergio Moro que Cunha pediu propina de US$ 5 milhões em um contrato de sonda da Petrobras. O peemedebista nega a acusação.
Camargo, por sua vez, também fez a acusação à PGR, comandada por Rodrigo Janot, que deve denunciar Cunha ao STF (Supremo Tribunal Federal) no próximo mês.
“A eventual denúncia, se ocorrer, terá de ser apreciada pelo plenário do STF. Não cogito qualquer afastamento”, afirmou Cunha à Folha.
O caso que envolve o peemedebista precisa ser analisado pelos 11 ministros da Corte, já que ele ocupa a presidência da Câmara.
O Planalto espera que a denúncia enfraqueça a gestão de Cunha. Desde que foi eleito para o cargo, em fevereiro, ele tem travado duros embates e imposto derrotas importantes ao governo federal.
O peemedebista ironiza a aposta do governo em sua saída. “Se o Planalto tivesse força para fazer alguém, o presidente teria sido Arlindo Chinaglia e não eu.” Chinaglia (PT-SP) era o candidato patrocinado pelo governo e foi derrotado por Cunha na disputa pelo comando da Câmara.
Nesta sexta, a bancada do PMDB, comandada pelo aliado de Cunha Leonardo Picciani (RJ), divulgou nota para dizer que não aceitará especulações “que visem a enfraquecer a autoridade institucional” do presidente da Casa.
Auxiliares da presidente Dilma, por sua vez, observam a movimentação de Cunha com cautela, pois acreditam que o deputado usará o recesso parlamentar de julho para buscar apoio.
A avaliação é que o efeito prático do rompimento de Cunha com governo só poderá ser medido após o recesso, durante votação importante.
Até lá, a aposta do Planalto é fortalecer o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que tinha adotado postura mais agressiva com o governo. Agora, dizem ministros de Dilma, Renan pode voltar a ser o que sempre foi: um aliado.
Parlamentares ligados a Cunha afirmam que há três grupos na Câmara hoje: os que são contra tudo, aqueles que são só contra o governo, e os que estão conspirando para derrubar o governo.
Na avaliação desses deputados, os três grupos precisam de Cunha para manter sua “agenda”. Isto porque o presidente se colocou como oposição ao Planalto e atua como o principal agente de tensão entre Legislativo e Executivo.
Folha

Postador Sebastião Barbosa

«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário :

receba nossas atualizações no seu Email

PESQUISE AQUI