» » Pastor constrói casas populares com o dinheiro do dízimo

Fábio Mendonça é pastor da Assembleia de Deus, Ministério Lagoinha, em Araruama, Rio de Janeiro e também sargento da Polícia Militar da 25ª CIA em Cabo Frio. Sua igreja tem cerca de 200 membros e tem chamado atenção por fazer um investimento surpreendente: usar dízimos e ofertas para construir casas para os membros em condições de vulnerabilidade social.

Além disso, a igreja possui duas vans que transportam os membros que moram em lugares como Regamé, Km 30, Rio do Limão e Fazendinha. Andréa Silva Rocha, que recebeu uma das casas comemora: “Fui amparada na hora em que mais precisei, hoje tenho a segurança de um lar”.
O pastor Mendonça diz que em seu trabalho na Polícia Militar ele adquiriu experiência na área de projetos. Percebendo a necessidade de outros irmãos carentes, decidiu ajudar a cavar a fundação das casas. Ele conta que a igreja no princípio se assustou com a ideia, mas logo começou a participar ativamente.
O critério para a entrega é “o grau de dificuldade das pessoas”, explica. Foram construídas quatro casas onde os dízimos e ofertas custearam a obra. Além do pastor, três pedreiros ajudam nas construções trabalhando voluntariamente durante os finais de semana.
“Foram construídas quatro quitinetes. As primeiras beneficiadas deverão ser as duas senhoras que hoje estão alojadas na igreja, uma delas dorme no gabinete pastoral e a outra na ‘salinha das crianças’”. O pastor diz que não pede dinheiro, mas tem conseguido pagar as contas.
“Acredito que quando o trabalho é direito, o Espírito Santo se encarrega de mover o coração das pessoas ao desejo de ofertar. E assim foi: um membro doou mil tijolos, outro duas pias…”, conta. Mas a iniciativa não é isenta de críticas “Alguns pastores me perguntaram se eu não estava “arrumando” muito trabalho.
“Se Deus pensasse no trabalho que o ser humano dá a Ele em relação à desobediência a seus princípios, não teria feito o mundo. Tudo que fazemos na vida pode nos gerar problemas, você não compra um carro, por exemplo, pensando que o pneu pode furar um dia, mas no benefício que você vai ter com o veículo”, desabafa.
Por fim, ele deixa um “recado” para os líderes evangélicos: “As igrejas devem ficar mais atentas à necessidade do povo. Sejam elas materiais ou espirituais. Há igrejas em que a maioria dos membros não possui necessidades financeiras, mas sempre há os que precisam de ajuda espiritual e aqueles que precisam de ajuda material”.
O que você achou dessa atitude deste pastor? Deixe o seu comentário abaixo e compartilhe nas redes sociais.

portal padom 

Postador Sebastião Barbosa

«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário :

receba nossas atualizações no seu Email

PESQUISE AQUI